Diocese de Cametá

   A Diocese de Cametá se reuniu nos dias 22 e 23 de setembro, em Conselho Diocesano de Pastoral. O encontro, no Centro de Formação (Chácara dos Padres), em Tucuruí, contou com a presença de 121 pessoas das duas Regiões Tocantina e Transamazônica.

   Presidido pelo Bispo, Dom Ivanildo, a reunião pautou-se na apresentação do Projeto Vocacional 2024, Revisão e Aprovação do Diretório Pastoral, Planejamento Pastoral para o biênio 2024 -2026 e Luzes para a Ação Pastoral Catequética.

   O encontro iniciou com a Celebração de abertura conduzida pela Área Episcopal São Paulo, seguido de acolhida e apresentação dos conselheiros. Em seguida o Bispo Diocesano, Dom Ivanildo Almeida, proferiu a Palavra de Abertura do CDP 2023, acolhendo cada um(a), expressando aquilo que ele acredita, lembrou que cada um presente foi escolhido, foi chamado, lembrou que Jesus escolheu quem ele quis.

   Em suas primeiras palavras lembrou aos padres, diáconos, seminaristas, religiosos, leigos eis que o senhor saiu a semear, o CDP é tempo de graça. E exige conversão pessoal e pastoral, a reunião do conselho não é para fazer uma proposta para o povo, mas para nós mesmos. Que as decisões tomadas não sejam transformadas em fardos que não podemos carregar. Está conselheiro não é privilégio, é um serviço. Abracemos este tempo favorável.

   Com essas palavras motivadoras, acolhemos o nosso Bispo em seu primeiro Conselho Diocesano, Dom Ivanildo, acolhemos também os padres; diáconos permanentes e transitórios; religiosos e religiosas; consagrados(as); seminaristas; leigos e leigas; coordenadores e coordenadoras diocesanos(as) de pastorais; movimentos; serviços e organismos diocesanos, as Regiões Pastorais, Paróquias, Áreas Episcopais e Comunidades Eclesiais Missionárias de nossa querida Diocese de Cametá.

   A primeira colocação foi a respeito do Projeto de Animação Vocacional 2024, apresentado pelo Padre Irlas das Virgens, expôs os objetivos gerais e específicos, destacando os procedimentos metodológicos que deverão seguir as paróquias.

   Como um dos pontos importantes deste CDP, Pe. Sandro Giovani, falou da importância da revisão do Diretório Pastoral para atender as exigências pastorais e que as presentes orientações e normas sirvam à maior comunhão pastoral em nossa Igreja Particular, enfatizou a importância para toda a diocese e pediu empenho do clero, religiosos e leigos no seu empenho na nova evangelização.

   O Padre Javé Silva, Padre acompanhante da Catequese, falou sobre as conclusões do Congresso Regional Bíblico Catequético: Luzes para a Ação Pastoral e da Assembleia Diocesana. Apresentou algumas proposições como superação da linguagem “preparação de batismo” para Catequese batismal, uniformização das etapas de catequese.

   O Diretório é um auxílio e um apoio nessa direção, um instrumento de evangelização e um serviço oferecido às comunidades paroquiais, trazendo orientações para que haja unidade na diversidade da pastoral orgânica, visando o bem do Povo de Deus.

   No tocante ao Planejamento para o Biênio 2024-2026, apresentado pelo Coordenador Diocesano de Pastoral, informou que não será trabalhado apenas um pilar, mas haverá integração entre eles e deverão ocorrer a nível paroquial ou área episcopal, Pilar  da Palavra:  Centro Diocesano de Formação Integrada; Pilar do Pão: Criação do Diretório Litúrgico; Pilar Caridade: Avivamento das Pastorais Sociais; Ação Missionária: Animação Missionária.

   No encontro houve espaços para que as pastorais, serviços, organismos e movimentos pudessem partilhar os desafios e avanços, bem como apresentar informes pastorais. Foi um momento muito bom de partilha, de escutarmos uns aos outros. Tivemos a oportunidade de pensar em ações concretas para aprimorar a caminhada pastoral.

   O CDP foi concluído com a apresentação de datas importantes para o ano de 2024, como Semana Diocesana de Formação, Retiro do Clero, Conselho Diocesano, Assembleia Diocesana de Pastoral da Pastoral Familiar e da Catequese, Festas dos Padroeiros das Paróquias.

   A atividade proporcionou aproximação, diálogo, acompanhamento de perto do trabalho pastoral de cada grupo e orientações para que trabalhem de forma mais eficaz na evangelização. Contribuindo para fortalecer a interação, troca de informações, e cooperação mútua entre todos.

   Ao final Dom Ivanildo concluiu apresentando uma Carta que deverá ser enviado ao Povo de deus da Diocese de Cametá:

DOM IVANILDO OLIVEIRA ALMEIDA
POR MERCÊ DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA,
BISPO DA DIOCESE DE CAMETÁ


CARTA AO POVO DE DEUS

Tucuruí 23 de setembro, na memória de São Pio de Pietrelcina, do ano de 2023.
“…eis que o semeador saiu a semear…” (Lc. 8,5)

   Querido Povo de Deus,

   Nós, bispo, padres, religiosos, religiosas, diáconos, seminaristas, leigos e leigas, reunidos nesses dias em Conselho Diocesano de Pastoral, na cidade de Tucuruí – PA, saudamos a todos na paz de Cristo.

   A Igreja Particular de Cametá viveu neste último ano um tempo de espera, espera essa nutrida na oração e esperança da chegada do seu novo pastor, esse tempo nos ajudou a perceber que não estávamos sozinhos, o Espírito Santo nos direcionou, eis porque continuamos sendo uma comunidade diocesana, com a vida renovada, vocacionados do Reino, sendo sal e luz do mundo, por isso não hesitamos em nenhum comento de continuar a semear o Reino através da ação Evangelizadora da nosso Igreja, a partir de um diálogo aberto e fraterno.

   Agora estamos reunidos em torno de nosso Pastor, Dom Ivanildo Oliveira, iluminados pelo Espirito Santo de Deus, nos permitimos avaliar a nossa caminhada e apontar rumos para nossa igreja Diocesana de Cametá.

   Entendemos que caminhar é preciso, portanto:

   1- É nossa vocação anunciar a palavra como missionários, para promover a paz, superar a violência, construir pontes em lugar de muros, oferecer a misericórdia de Jesus e reacender a luz da esperança para vencer o desanimo e as indiferenças;

   2- Como pastores do povo de Deus, nós bispo, padres e diáconos, assumimos o compromisso de fortalecer e potencializar as áreas episcopais, forma de organização diocesana em vista da comunhão, participação e missão como Igreja peregrina viva e atuante nesta porção amazônica;

   3- Apesar dos desafios pastorais do tempo presente, nossa diocese vive um momento marcado pelo recomeço e, com otimismo aposta na renovação pastoral com olhar esperançoso, por isso, assumimos com generosidade evangélica, o percurso da Igreja no Brasil que nos apresenta o processo da iniciação a vida cristã como o caminho para formar o discipulado missionário, e com as conclusões do VI Congresso Regional Bíblico-catequético somos chamados com urgência à catequese mistagogica, onde o processo catequético considere a história de vida do catequizando, assim como levá-lo a se envolver nas atividades pastorais da comunidade, por isso é preciso dar atenção à formação dos catequistas.

   4- Nossa Igreja Particular, como parte da Igreja universal, superando o individualismo, pois somos Igreja juntos, revisamos nosso diretório pastoral reafirmando a comunhão que tanto almejamos, pois o respeito às normas cria responsabilidade e, ajuda-nos a sermos fiéis à missão recebida de Cristo.

   5- Nosso Plano Diocesano de Pastoral oferece um norte para nossa ação missionária, que para ser autentica deve ser feita em comunhão afetiva e efetiva com a Igreja. Ao olharmos os horizontes promissores de nossa Igreja diocesana, em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, assumimos com determinação todas indicações contidas no plano de forma a promover uma evangelização voltada para a sinodalidade na direção da Igreja em saída.

   Enquanto celebramos o décimo aniversário de criação e ereção canônica de nossa diocese, somos enviados em missão, com a consciência de que “onde não se divide responsabilidades, não se cria comunidade”. É tempo de sintonia sinodal, e precisamos avançar no vigor do Espírito. Nossa missão, em meio a este contexto desafiador em que vivemos nos impulsiona com a nossa presença evangelizadora, iluminados pelo Espírito Santo a desenhar e redesenhar o rosto de Cristo nas pessoas. Assumir as características da Igreja do avental, servidora da humanidade, uma Igreja “gari” inserida no mistério do Cordeiro que tira o pecado do mundo, que recolhe e limpa as sujeiras do mundo. Para isso, será necessário construir redes com pessoas que tenham a capacidade de escutar com o coração, de rezar e deixar Deus agir. Auxilia-nos a presença materna de Maria, Nossa Senhora de Nazaré, Rainha da Amazônia, e São João Batista, nosso patrono para que não falte a nós o ardor missionário, a fidelidade e a perseverança. 

Dom Ivanildo Oliveira Almeida
Bispo Diocesano de Cametá


Pe. Raimundo Nonato Rodrigues Martins
Vigário Geral


Pe. Sandro Giovani Rodrigues Santos
Coordenador Diocesano de Pastoral

   O Conselho foi perpassado pelo clima da oração, comunhão, participação e missão. Continuemos caminhando com os corações ardentes e pés a caminho confiantes de que toda vocação é dom e graça, Dom de Deus que chama mulheres, homens, jovens e crianças para seguirem Jesus.

Por: PASCOM

Fotos: PASCOM