Diocese de Cametá

Orientações para a Semana Santa 2021

Caros Padres e Diáconos, Religiosas e Religiosos, Equipes de Pastoral Litúrgica, e todos os que zelam pela Liturgia nas Comunidades Cristãs – CC’s de nossa Diocese de Cametá.

Em virtude do agravamento da Covid -19 com o aumento de casos nesse mês de março que nos deixa ainda incertos em relação a esse tempo de Pandemia. Nesse sentido com o intuito de promover o bem do povo de nossa Diocese, seguindo as orientações da Santa Sé e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB apresentamos as orientações para a Semana Santa 2021, visando, com isso, a unidade e a comunhão em todo o território de nossa Igreja particular.

 

CONFISSÃO DURANTE O TEMPO DA QUARESMA

Conforme o Diretório Pastoral da Diocese de Cametá nº81 os sacerdotes estejam sempre dispostos a ouvir as confissões dos fiéis. Entretanto, nesse tempo de pandemia, deverão observar as orientações sanitárias, mantendo o distanciamento e evitando qualquer contato com o penitente de preferência que as confissões sejam previamente agendadas na secretaria paroquial.

É costume durante a quinta semana da quaresma a realização de celebrações penitenciais. Estas, só poderão ser realizadas, levando em considerações os decretos de cada município, quanto ao número de pessoas permitidas no ambiente e o horário a ser realizado.

 

SEMANA SANTA

A Semana Santa tem seu início com o Domingo de Ramos, onde relembramos a entrada de Jesus em Jerusalém, por meio da procissão dos fiéis com os ramos.

Para este tempo de Pandemia estão suspensas todas as procissões, inclusive a do Domingo de Ramos. Os outros momentos celebrativos tais como: Via Sacra, Dores de Nossa Senhora (onde houver), Encontro Doloroso entre outros, sejam realizadas dentro do Templo, ou em lugar amplo e arejado, respeitando-se os Decretos Municipais e as orientações sanitárias: capacidade do número de fiéis; uso de máscaras facial e álcool em gel 70%, distanciamento social.

Domingo de Ramos Conforme afirma o decreto de 25 de março passado (2020) da Santa Sé, a celebração do Domingo de Ramos deverá ser realizada “dentro do prédio sagrado”. Pede-se que as catedrais adotem “a segunda forma prevista pelo Missal Romano, enquanto nas igrejas paroquiais e noutros locais a terceira”.

 

TRÍDUO PASCAL

Na Missa Vespertina da Ceia do Senhor, omite-se o lava-pés. No final da missa omite-se a procissão e o Santíssimo Sacramento guarda-se no Sacrário (Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Prot. n. 153/20, Decreto: em tempo de Covid-19, de 19 de março de 2020).

Na Sexta-Feira Santa, na oração universal acrescentar uma intenção especial pelos doentes, pelos defuntos e pelos que sofrem por alguma perda. Para a Adoração da Cruz, apenas a genuflexão simples; o beijo da Cruz é limitado somente ao presidente da celebração.

Oremos pelos irmãos e irmãs acometidos pela covid-19; pelos irmãos e irmãs que faleceram em virtude desta doença; pelos irmãos e irmãs que sofrem pela perda de entes queridos nesta pandemia. Deus eterno e todo poderoso, fonte da vida e princípio do bem viver, vinde em socorro dos doentes do Coronavírus; concedei o descanso eterno aos que morreram vitimados por esta doença; consolai os que sentem o coração dolorido pela perda de entes queridos; e libertai a humanidade desta pandemia. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Na Vigília Pascal, acende-se o círio e, omitindo a procissão, segue-se a proclamação da pascal. Na Liturgia da Palavra, proclamar as leituras omitindo algumas, lembrando que a leitura de Ex 14 não pode ser omitida; a Carta aos Romanos e o Evangelho. Para a Liturgia Batismal, apenas se renovam as promessas batismais (cf. Missal Romano, p. 288, nº 46). Segue a Liturgia Eucarística. (cf. Decreto: em tempo de Covid-19).

O Domingo de Páscoa é a proclamação da Ressurreição gloriosa de Jesus, deve ser celebrado nas igrejas paroquiais com toda solenidade, mas sempre observando as orientações sanitárias já expostas anteriormente.

As paróquias que realizam a procissão da ressurreição deverão observar as orientações dos decretos municipais, realizando o traslado com o Santíssimo Sacramento pelas ruas, acompanhados de carro som, evitando qualquer tipo de aglomeração de pessoas.

Os párocos devem incentivar a pessoas a manifestarem sua reverência a Jesus ressuscitado, presente na Santa Eucaristia, ficando na frente de suas casas, como já ocorrido no ano de 2020.

Desejamos que a Bem Aventurada Virgem de Nazaré, Rainha da Amazônia proteja-nos e livre-nos desse mal invisível para que assim possamos realizar com maior tranquilidade a missão da Igreja. Que estas orientações ajudem a todos nós a vivemos ardentemente o mistério da nossa fé.



Nada pode nos separar do amor de Cristo!

Cametá, 17 de março de 2021.


Dom José Altevir da Silva, CSSp

Bispo Diocesano de Cametá